Brigitte Helm, A Deusa Eterna De Yoshiwara!!!

Brigitte Helm, A Deusa Eterna De Yoshiwara!!!
Brigitte Helm, A Deusa Eterna De Yoshiwara!!!

sábado, 4 de outubro de 2014

Resenha de Filme - Lucy

Lucy. Cuca 100%!!!
Luc Besson tem uma grande virtude. Seus filmes são doidíssimos e fogem sempre do convencional. É só ver pérolas do naipe de “Quinto Elemento” ou seu “Joana D’arc”. E o mais legal é ver um bom elenco que dá sempre credibilidade a seus delírios. É o que podemos ver em sua nova produção, “Lucy”. A mocinha do título, interpretada pela incansável Scarlet Johansson (ela tem aparecido bastante nas telonas e é a musa da vez de Besson), está em Taipei com um carinha que conheceu há apenas uma semana. Ele vai obrigar a moça a entregar uma valise num prédio, cujo conteúdo ela desconhece. Mas Lucy mal sabia que a encomenda era para um grande líder criminoso extremamente cruel, que mata seu acompanhante. O conteúdo da valise? Uma droga poderosíssima, que será colocada dentro da barriga da moça cirurgicamente para ela transportá-la como mula para a Europa. Mas, no cativeiro, ela é agredida pelos bandidos e o saquinho da droga se rompe dentro de sua barriga. A partir daí, ela acumula poderes dignos de um Anakin Skywalker, pois a droga estimula o uso do cérebro. Como dizia o cientista Professor Norman (interpretado por Morgan Freeman), numa história paralela à trama de Lucy, o ser humano só utiliza 10% de seu cérebro. Não se sabe quantos poderes ele teria se usasse 100% de sua capacidade. Lucy saberá. E terá poderes como a telecinese, a abstração total de sentimento de dor, enxergar e ouvir coisas que os humanos não podem perceber e adquirir conhecimento de forma imediata. Mas as transformações em seu corpo, de tão violentas que são, vão destruí-lo em poucas horas. Assim, ela vai atrás da droga, que pode prolongar sua vida, e está em outras mulas controladas pelos mafiosos asiáticos que também irão a seu encalço. A moça, obviamente irá ao cientista para ajudá-la. O resto são as loucuras de Besson. Não vou dizê-las aqui para estragar a surpresa. Pode-se dizer que “Lucy”, apesar da boa ideia, é mais um filme de ação exótico, com um heroísmo no estilo “Femme Fatale”, que passa de uma menininha indefesa e chorosa para uma assassina fria e calculista. Há muitas cenas de tiroteios, ao melhor estilo dos filmões americanos de ação. E há excelentes closes, muito bons até no rosto cheio de pintas de Morgan Freeman (imaginem em Scarlet Johansson!). Há alguns preconceitos no filme também. Uma máfia asiática que mata em plena luz do dia, como se tivesse o controle total da situação, mandando em tudo no país em que está sediada. Só vemos força policial lutando contra os bandidos na “civilizada Europa”. O percentual de uso do cérebro de Lucy é outra fonte de preconceito. Em alguns momentos do filme, um número indicando o percentual de uso do cérebro de Lucy cobria toda a tela. E, embora os seres humanos usem 10% da capacidade do cérebro, Lucy, usava inicialmente só 1%. Será porque ela é loura? Porralouquices de Besson...
O filme também tem a grande virtude de usar composições de imagens da natureza, muito bonitas e vívidas, principalmente nas palestras do cientista Morgan Freeman, e que dão todo um colorido à materialidade visual da história, constituindo-se num elemento bem original.

Dessa forma, “Lucy” poderia ser mais um filmeco de ação, não fosse um Besson cheio de suas loucuras e delírios. O filme tem boa plasticidade, mas dá ainda para rir um bocado pelo seu alto grau de exotismo. Uma diversão garantida.


Cartaz do Filme


Usada como mula pelos vilões.


De mocinha indefesa a uma assassina insensível.


Superpoderes a fazem enxergar tudo


O Professor Norman a ajudará a lidar com seus poderes.


É tudo vilão de Taipei...

Um comentário:

  1. Dos melhores filmes de ação que eu já vi. Uma excelente produção que quando lançou tempo primeza no cinema deu muito o que falar. Agora que é uma estreia na HBO disponível, não deixará de vê-lo uma segunda vez. Recomendo muito.

    ResponderExcluir